A importância da prática de esportes na infância; entenda

O Estado de S. Paulo

15/05/2015 | 06h00

Preparador físico afirma que atividades ajudam na coordenação e no aspecto social durante esta fase da vida

A competição não pode dominar a vida da criança até que ela esteja psicologicamente pronta para isso

A competição não pode dominar a vida da criança até que ela esteja psicologicamente pronta para isso Foto: USAG - Humphreys / Creative Commons

Todas as pessoas necessitam de atividades para o desenvolvimento. Mas, na fase da infância, é quase essencial praticar exercícios. "Os esportes podem ajudar na coordenação, evitar lesões e ainda colaborar no aspecto social durante esta fase", explicou o preparador físico Aulus Sellmer, em entrevista ao programa Rota Saudável, da Rádio Estadão.

Nesse período de desenvolvimento motor, é de extrema importância que se pratique variadas atividades, para melhorar a articulação e o condicionamento físico, garante Sellmer. Essa diversidade também ajuda a criança a encontrar algum esporte que ela goste, para continuar praticando no futuro. “O foco é promover o desenvolvimento de habilidades motoras gerais e direcionar a criança para alguma que ela se identifique”, afirma. Exercícios que envolvam pular, correr, saltar, ajudam bastante nesse desenvolvimento da coordenação. O importante é ficar variando até encontrar o mais adequado para cada um.

Os exercícios físicos ainda ajudam a prevenir lesões, mas não devem ser feitos com muita intensidade, devido a essa fase de crescimento. Por isso, é essencial que sejam acompanhadas por um profissional habilitado. Outro aspecto importante é o social, já que muitos destes esportes precisam da interação com outras crianças. É neste momento que elas desenvolvem relações e aprendem a conviver em grupo. 

O preparador físico ressalta, ainda, que a rivalidade não deve ser colocada em primeiro lugar, ainda mais nestas atividades coletivas. “A competição não pode dominar a vida da criança até que ela esteja psicologicamente pronta para isso”, diz.  Os pais, muitas vezes, estimulam essa competição, eles se colocam no lugar dos filhos e cobram, ao invés de incentivarem. A prioridade, no entanto, é pensar que isso pode prejudicar e fazer com que a criança pare de gostar de praticar esportes.

Ouça a entrevista completa de Aulus Sellmer no programa Rota Saudável